A primeira descrição do transtorno do espectro do autismo (TEA) foi em 1943 pelo psiquiatra infantil Leo Kanner, que identificou 11 crianças com abstinência extrema e incapacidade de formar relacionamentos normais com outras pessoas. Ele os rotulou como tendo autismo infantil precoce.

O TEA é um transtorno que afeta o neurodesenvolvimento e geralmente se manifesta nos primeiros anos de vida, tendendo a persistir na adolescência e na idade adulta. É caracterizado por déficits de comunicação, interação social, padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades. É um distúrbio de etiologia multifatorial.

Os principais sintomas raramente ocorrem de forma isolada e são normalmente associados a outras comorbidades, como distúrbios psiquiátricos múltiplos, como ansiedade e depressão, distúrbio de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), epilepsia, problemas gastrointestinais, distúrbios do sono, distúrbio alimentar, dificuldade de aprendizagem (TA), deficiência intelectual (DI) e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Sem cura atual para o TEA, os tratamentos são centrados em terapias de fala e comportamentais para melhorar o funcionamento social e a comunicação.

No entanto, dado que muitos indivíduos com TEA sofrem de distúrbios gastrointestinais e que mudanças na microbiota são consideradas como desempenhando um papel na expressão dos sintomas gastrointestinais e não gastrointestinais, o interesse em intervenções nutricionais permanece alto entre as famílias dos pacientes e os médicos.

Ainda que muitas intervenções dietéticas tenham sido estudadas, há uma falta de dados científicos conclusivos sobre o efeito das dietas terapêuticas no autismo e, como tal, nenhuma recomendação definitiva pode ser feita para uma terapia nutricional específica como um tratamento padrão para o TEA.

Embora não se tenha evidências conclusivas do benefício das terapias nutricionais para pessoas com TEA, muitos pais ou profissionais de saúde optam por continuar as intervenções dietéticas e observam resultados promissores com relação ao comportamento e anormalidades gastrointestinais.

Uma grande dificuldade na interpretação das evidências disponíveis para intervenções dietéticas é a variabilidade na medição do efeito terapêutico. Os estudos frequentemente exploram o efeito das terapias nutricionais em diferentes aspectos do TEA e raramente comparam a eficácia com a de outras intervenções, tornando a generalização e a comparação entre as modalidades de tratamento menos robustas.

Na Pasta compartilhada dentro da aba de Estudos do WebDiet, separamos artigos sobre Nutrição e autismo, avaliando também o efeito de diferentes intervenções nutricionais no transtorno do espectro do autismo.

 

Referências:
1- Kanner, L. (1943). Autistic disturbances of affective contact. The Nervous Child, 2, 217–250.
2- Asperger, H. (1944). Die “Autistischen Psychopathen” im Kindesalter. Archiv f. Psychiatrie, 117(1), 76–136.
3- Elsabbagh, M., Divan, G., Koh, Y.-J., Kim, Y. S., Kauchali, S., Marcín, C., et al. (2012). Global prevalence of autism and other pervasive developmental disorders. Autism Research, 5(3), 160–179.
4- Wiśniowiecka-Kowalnik, B., & Nowakowska, B. A. (2019). Genetics and epigenetics of autism spectrum disorder-current evidence in the field. Journal of Applied Genetics, 60(1), 37–47.
5- Al-Dewik, Nader, et al. “Overview and introduction to autism spectrum disorder (ASD).” Personalized food intervention and therapy for autism Spectrum disorder management. Springer, Cham, 2020. 3-42.
6- Karhu, Elisa, et al. “Nutritional interventions for autism spectrum disorder.” Nutrition reviews 78.7 (2020): 515-531.