O álcool contém substâncias psicoativas com propriedades produtoras de dependência. Estando presente e sendo utilizado de diversas formas em nossa cultura há séculos. Hoje, o álcool permeia muitos momentos da convivência em sociedade: da presença em receitas de diversos pratos, passando pelo famoso “happy hour” pós-trabalho, até chegar ao consumo daquela taça de vinho à noite “para relaxar”.

No entanto, o consumo de álcool é a causa de uma variedade de transtornos mentais e comportamentais, além de ser também fator causal em mais de 200 condições de doenças não transmissíveis e lesões. O consumo desmedido de álcool, também está associado a inúmeros riscos à saúde, tanto a curto quanto a longo prazo, incluindo acidentes de veículos motorizados, condutas violentas, comportamentos sexuais de risco, pressão alta e diferentes tipos de câncer.

Para além do risco à própria saúde, o uso desregrado de álcool também pode resultar em danos a outras pessoas, como familiares, amigos, colegas de trabalho e mesmo a desconhecidos. Em todo o mundo, 3 milhões de mortes, a cada ano, são resultado do uso nocivo de álcool, número que representa 5,3% do total de mortes.

A nível individual e social, alguns fatores afetam os níveis e os padrões de consumo de álcool, assim como a magnitude dos problemas relacionados a ele nas populações. Fatores ambientais incluem desenvolvimento econômico, cultura, disponibilidade de álcool, além da abrangência e dos níveis de implementação e fiscalização das políticas locais sobre o uso. No aspecto individual, embora não haja um único fator de risco dominante, quanto mais vulnerabilidades uma pessoa tem, maior a probabilidade de ela desenvolver problemas relacionados ao álcool, como resultado do consumo excessivo dele.

Na perspectiva especificamente nutricional, o álcool também traz algumas questões. Por exemplo, para quem busca emagrecer, o consumo de álcool pode ser um fator que contribui para o aumento de calorias na dieta. Além de 1g de álcool ter cerca de 7kcal, normalmente bebidas como cerveja, “caipis” e também alguns vinhos, possuem teor elevado de carboidratos, o que contribui para o aumento do aporte energético na dieta.

Nem os atletas estão isentos da influência que o álcool exerce sobre a sociedade. Na verdade, muitas vezes atletas consomem maiores volumes de álcool, por meio de comportamento compulsivo, em comparação com a população em geral. Embora seja frequentemente esperado e recomendado que eles se abstenham de álcool para evitar o impacto negativo na recuperação e no desempenho.

O consumo de álcool é algo que não deve ser encorajado por profissionais da saúde, independente do contexto, podendo seu uso em demasia acarretar diversos problemas de saúde, sociais e até econômicos.

Referências:
Centers for Disease Control and Prevention. Alcohol Use and Your Health. Available at http://www.cdc.gov/alcohol/fact-sheets/alcohol-use.htm.

Room, Robin, Thomas Babor, and Jürgen Rehm. “Alcohol and public health.” The lancet 365.9458 (2005): 519-530.

World Health Organization. Global status report on alcohol and health – 2014. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2014.

World Health Organization. Global status report on alcohol and health 2018. World Health Organization, 2019.