A dieta mediterrânea é o padrão alimentar tradicional seguido por pessoas que residem nas margens do Mar Mediterrâneo. Os países da costa europeia incluem Grécia, França, Espanha, Itália, bem como países da costa sul, como Egito, Líbia e Argélia. Não há consenso unificado sobre o que é a dieta mediterrânea, pois os pequenos detalhes diferem de um país para outro, dependendo daquela cultura específica. No entanto, os conceitos-chave são os mesmos em toda essa região.

Carboidratos e amidos, principalmente não refinados, como pão, macarrão, cereais, batata e grãos (base da pirâmide), assim como queijos, iogurtes, frutas e vegetais são consumidos em abundância diariamente entre os habitantes da região mediterrânea. Dado que este padrão alimentar é pobre em proteína animal, no topo da pirâmide de consumo dessa população encontra-se frango, peixe e ovos. Sendo que esses alimentos não são consumidos mais do que algumas vezes por semana. Tradicionalmente, as carnes vermelhas raramente são consumidas por esta população, não mais do que algumas vezes por mês.

A dieta mediterrânea não é considerada uma dieta pobre em gorduras. O conteúdo de gordura varia de 28% a 40% da ingestão alimentar total. No entanto, o nível de ácidos graxos saturados e ácidos graxos trans é baixo, devido ao consumo de carnes animais e alimentos processados não ser tão habitual.

O azeite de oliva, ácido oleico, um ácido graxo monoinsaturado benéfico é o principal contribuinte para esse teor de gordura, o que o torna um padrão alimentar saudável, independentemente de seu alto teor de gordura.

A Dieta Mediterrânea é conhecida por ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares, câncer e diabetes e também é associada a uma melhor função cognitiva na população idosa. Tem sido associada à maior longevidade e qualidade de vida em estudos epidemiológicos, sendo a maioria observacional.

A pesquisa apoia os benefícios para a saúde de um padrão alimentar de estilo mediterrâneo que inclua vários alimentos diferentes. É a combinação desses alimentos que parece proteger contra doenças, já que o benefício não é tão forte quando se olha para alimentos isolados ou nutrientes incluídos na dieta mediterrânea.

 

Referências:

Serra-Majem, Lluís, Blanca Roman, and Ramón Estruch. “Scientific evidence of interventions using the Mediterranean diet: a systematic review.” Nutrition reviews 64.suppl_1 (2006): S27-S47.

Aridi, Yasmine S., Jacqueline L. Walker, and Olivia RL Wright. “The association between the Mediterranean dietary pattern and cognitive health: a systematic review.” Nutrients 9.7 (2017): 674.

Willett WC, Sacks F, Trichopoulou A, Drescher G, Ferro-Luzzi A, Helsing E, Trichopoulos D. Mediterranean diet pyramid: a cultural model for healthy eating. AJCN. 1995 Jun 1;61(6):1402S-6S.

Davis, Courtney, et al. “Definition of the Mediterranean diet; a literature review.” Nutrients 7.11 (2015): 9139-9153.

Martínez-González, Miguel A., Alfredo Gea, and Miguel Ruiz-Canela. “The Mediterranean diet and cardiovascular health: A critical review.” Circulation research 124.5 (2019): 779-798.