Nas últimas décadas a prevalência da obesidade aumentou consideravelmente. Em 1975, 5% da população mundial era obesa, em contrapartida, em 2016, 13% da população mundial apresentava o quadro de obesidade, segundo o banco de dados da OMS.

A obesidade é definida como um acúmulo excessivo de gordura corporal que leva a complicações de saúde. O desenvolvimento da obesidade é agravado por uma dieta hipercalórica, rica em açúcar e lipídios, contribuindo para elevação da glicemia e acúmulo de gordura.

Uma revisão sistemática concluiu que o jejum intermitente pode fornecer um benefício metabólico significativo, melhorando o controle glicêmico, a resistência à insulina e a concentração de adipocina, bem como uma redução no índice de massa corporal em adultos.

Geralmente, o jejum intermitente restringe a janela de alimentação de 6 – 10 horas por dia. Entretanto, nem todos os estudos mostram os mesmos resultados positivos. Um dos motivos que poderiam explicar os resultados controversos das práticas de jejum é que esses métodos não
consideram a importância de combinar o tempo de ingestão de alimentos com o relógio circadiano.

Os organismos estão sujeitos a ritmos circadianos (oscilações que ocorrem em um período de aproximadamente 24 horas), que são úteis para facilitar o desempenho de processos fisiológicos nos horários ideais do dia.

O relógio circadiano é essencial para a saúde e fornece os ritmos de funcionamento para muitos sistemas orgânicos, como por exemplo, o sistema digestivo, cardiovascular, endócrino e reprodutivo.

Evidências crescentes mostram que a interrupção do relógio circadiano é a causa de muitas doenças metabólicas, como obesidade, diabetes ou doenças cardiovasculares.

A alimentação em tempo restrito precoce, onde a ingestão de alimentos ocorre entre 8h e 18h, facilitou a perda de peso e a redução do apetite em pessoas com sobrepeso e obesidade.

Pacientes pré-diabéticos e diabéticos, caracterizados por uma tolerância diminuída à glicose, apresentaram níveis de insulina mais baixos e uma melhor sensibilidade à insulina quando restringiram sua janela alimentar diária para 8 horas por dia. Além disso, a restrição da janela alimentar induziu alterações nos marcadores cardiovasculares ao diminuir a pressão arterial e os níveis de LDL.

As mudanças observadas entre os participantes deste estudo são benéficas para saúde metabólica. Uma diminuição no peso corporal e perda de gordura corporal estão associadas a uma melhoria na qualidade de vida relacionada à saúde, redução nos riscos de obesidade e desenvolvimento de comorbidades.

Apesar de seus inúmeros benefícios, o jejum intermitente tem suas desvantagens e limitações, que por vezes, restringem sua aplicação. Um dos pontos mais restritivos é janela de alimentação de 6 horas ao invés de 10 horas por dia, o que pode ser difícil de ser sustentado ao mesmo tempo que se mantém uma vida familiar, social ou profissional.

O trabalho noturno torna o jejum intermitente difícil de ser respeitado devido aos horários de trabalho dessincronizados que perturbam a rotina da vida cotidiana.

Como as pesquisas sobre alimentação em tempo restrito são limitadas, estudos futuros devem ser realizados para estabelecer claramente o tempo ideal e a duração da janela alimentar, a fim de propor protocolos de alimentação com restrição de tempo seguros e eficientes.

 

Referências:

1- Charlot, Anouk, et al. “Beneficial Effects of Early Time-Restricted Feeding on Metabolic Diseases: Importance of Aligning Food Habits with the Circadian Clock.” Nutrients 13.5 (2021): 1405;
2- Sutton, E.F.; Beyl, R.; Early, K.S.; Cefalu, W.T.; Ravussin, E.; Peterson, C.M. Early Time-Restricted Feeding Improves Insulin Sensitivity, Blood Pressure, and Oxidative Stress Even Without Weight Loss in Men with Prediabetes. Cell Metab. 2018, 27, 1212–1221.e3;
3- Cho, Y.; Hong, N.; Kim, K.; Cho, S.; Lee, M.; Lee, Y.; Lee, Y.; Kang, E.; Cha, B.-S.; Lee, B.-W. The Effectiveness of Intermittent Fasting to Reduce Body Mass Index and Glucose Metabolism: A Systematic Review and Meta-Analysis. J. Clin. Med. 2019, 8, 1645;
4- Ravussin, E.; Beyl, R.A.; Poggiogalle, E.; Hsia, D.S.; Peterson, C.M. Early Time-Restricted Feeding Reduces Appetite and Increases Fat Oxidation but Does Not Affect Energy Expenditure in Humans. Obes. Silver Spring Md 2019, 27, 1244–1254;
5- Parr, E.B.; Devlin, B.L.; Lim, K.H.C.; Moresi, L.N.Z.; Geils, C.; Brennan, L.; Hawley, J.A. Time-Restricted Eating as a Nutrition Strategy for Individuals with Type 2 Diabetes: A Feasibility Study. Nutrients 2020, 12, 3228;
6- Lowe, D.A.; Wu, N.; Rohdin-Bibby, L.; Moore, A.H.; Kelly, N.; Liu, Y.E.; Philip, E.; Vittinghoff, E.; Heymsfield, S.B.; Olgin, J.E.; et al. Effects of Time-Restricted Eating on Weight Loss and Other Metabolic Parameters in Women and Men With Overweight and Obesity: The TREAT Randomized Clinical Trial. JAMA Intern. Med. 2020, 180, 1491–1499;