A menopausa é um componente inevitável do envelhecimento e envolve a perda da função reprodutiva ovariana, ocorrendo de forma espontânea ou secundária a outras condições. Ainda não é possível prever com precisão o início da menopausa, especialmente a menopausa precoce.

O declínio na produção de estrogênio ovariano na menopausa pode causar sintomas físicos que podem gerar debilidades, incluindo: ondas de calor, suores noturnos, atrofia urogenital, disfunção sexual, alterações de humor, perda óssea e alterações metabólicas que predispõem doenças cardiovasculares e diabetes.

A experiência individual da transição da menopausa varia amplamente. Fatores de influência incluem a idade em que ocorre a menopausa, saúde e bem-estar pessoal, o ambiente e a cultura de cada mulher.

Epidemiologia

As primeiras estimativas epidemiológicas confiáveis ​​para o momento da menopausa dão uma idade média de 48-52 anos entre as mulheres em países desenvolvidos. Em uma metanálise mais recente e mais ampla de 36 estudos abrangendo 35 países, a média geral de idade foi de 48,8 anos com variação considerável por região geográfica.

Embora os estudos nos Estados Unidos e na Ásia mostrem resultados próximos a esse valor médio, a idade da menopausa é geralmente menor na África, América Latina e países do Oriente Médio (médias regionais: 47,2-48,4 anos) e maior na Europa e Austrália (50,5–51,2 anos). As razões para tais diferenças regionais permanecem longe de ser claras, no entanto, estudos anteriores sugerem um aumento modesto da idade da menopausa para mulheres em países ricos durante o século XX. Os fatores biológicos e ambientais – e as interações entre eles – que respondem pelas diferenças regionais e tendências históricas no momento da menopausa permanecem obscuros.

A idade na menopausa também é cada vez mais reconhecida como um indicador de desfechos de saúde na vida adulta, especialmente aqueles relacionados à exposição ao estrogênio, embora os mecanismos biológicos subjacentes muitas vezes permaneçam desconhecidos.

Fatores que influenciam a menopausa

O tempo de vida funcional dos ovários humanos é determinado por um conjunto complexo, e ainda não amplamente identificado, de fatores genéticos, hormonais e ambientais. No entanto, as manifestações clínicas da menopausa resultam de interações dinâmicas entre alterações neuroendócrinas e alterações no eixo endócrino reprodutivo que governa a função dos ovários.
Não está claro o porquê dos ovários começarem sua função na puberdade e pararem na menopausa, e a compreensão desse fenômeno teria implicações de longo alcance para problemas reprodutivos e de saúde.

Fatores genéticos

O momento da menopausa reflete uma interação complexa de fatores genéticos, epigenéticos, socioeconômicos e de estilo de vida. As estimativas da herdabilidade na idade da menopausa variam de 30% a 85%.

Aproximadamente 50% da variabilidade interindividual na idade da menopausa está relacionada a efeitos genéticos. As mulheres cujas mães ou outros parentes de primeiro grau tiveram menopausa precoce têm de 6-12 vezes maior probabilidade de sofrerem a menopausa precoce. Além disso, estudos transversais e de coorte mostraram que a idade da mulher na menopausa está fortemente associada à idade da mãe na menopausa. No entanto, os estudos genéticos até agora não conseguiram identificar claramente as características genéticas subjacentes a esta herdabilidade.

Tempo de vida ovariano e perda de folículos

Os ovários e os folículos são fundamentais para determinar o momento da menopausa. O número de células foliculares é determinado antes do nascimento, quando os oócitos se expandem para um máximo de 6–7 milhões no meio da gestação. Posteriormente, os oócitos são perdidos rapidamente devido à apoptose, levando a uma população de 700.000 no nascimento e 300.000 na puberdade. A apoptose contínua, junto com a perda de oócitos durante os 400-500 ciclos de recrutamento folicular em uma vida reprodutiva normal (às vezes envolvendo vários folículos por ciclo), leva à exaustão final dessas células na meia-idade e menopausa entre 45 e 55 anos de idade.

Eventos neuroendócrinos

O eixo reprodutivo hipotálamo-hipofisário sofre mudanças consideráveis ​​durante a transição da menopausa. Essas modificações são em parte secundárias ao declínio da função ovariana, mas várias linhas de evidências sugerem que o cérebro passa por modificações funcionais independentes, que são importantes para o envelhecimento reprodutivo. Segundo essa hipótese, a menopausa pode espelhar a puberdade, época em que um conjunto de processos hipotalâmicos também influencia o eixo reprodutivo.

Aumentos no hormônio folículo estimulante (FSH), derivado da hipófise, podem ser identificados em mulheres de meia-idade muito antes de serem notados declínios de estrogênio ou irregularidades no ciclo. Da mesma forma, alterações nos padrões de secreção do hormônio luteinizante (LH) são encontradas nesta fase, com pulsos mais amplos e menos frequentes.

Sintomas e consequências da menopausa

A maioria das mulheres que entram na menopausa apresenta sintomas vasomotores. Um fogacho é um episódio súbito de vasodilatação no rosto e pescoço, que dura de 1 a 5 minutos e é acompanhado por sudorese abundante. As mulheres que experimentam fogachos têm uma zona termoneutra mais estreita, de modo que mudanças sutis na temperatura central provocam mecanismos termorregulatórios, como vasodilatação, sudorese ou tremores. Níveis decrescentes de estrogênios e inibina B, bem como níveis crescentes de FSH, explicam apenas parte da termorregulação perturbada, que está associada a alterações nos neurotransmissores cerebrais e na reatividade vascular periférica.

A ocorrência e a intensidade dos sintomas da menopausa variam amplamente entre as mulheres e dependem de fatores genéticos, ambientais, de estilo de vida e antropométricos. Cor de pele negra, tabagismo e excesso de peso (em particular a obesidade central) aumentam a prevalência e a gravidade dos sintomas vasomotores.

Os distúrbios do sono também são muito comuns durante a transição da menopausa e são atribuídos principalmente a despertares frequentes devido à sudorese noturna e secundariamente a fatores psicológicos.

Os transtornos do humor, como depressão e ansiedade, não são causados ​​pela menopausa. Mulheres vulneráveis, entretanto, podem ter seu primeiro episódio, ou uma recaída, durante a transição.

Dores musculares e articulares também fazem parte da sintomatologia da menopausa e estão altamente correlacionadas com fogachos e humor deprimido.

Dieta e menopausa

A alta ingestão de frutas e vegetais retarda o início da menopausa e prolonga a vida reprodutiva devido a presença de antioxidantes que neutralizam os efeitos adversos das espécies reativas de oxigênio no número e na qualidade dos folículos ovarianos.

A maior ingestão de calorias totais, alto consumo de carboidratos e alto consumo de proteínas estão associados ao atraso na idade da menopausa. No entanto, a correlação da dieta com carboidratos e menopausa tem resultados conflitantes com alguns estudos que documentam relação inversa ou nenhuma relação.

Desse modo, além dos fatores genéticos, reprodutivos, socioeconômicos e demográficos que influenciam o surgimento da menopausa, fatores de risco modificáveis, como dieta e estilo de vida, também merecem uma atenção especial.

 

 

Referências:
1- Schoenaker, D. A., Jackson, C. A., Rowlands, J. V. & Mishra, G. D. Socioeconomic position, lifestyle factors and age at natural menopause: a systematic review and meta-analyses of studies across six continents. Int. J. Epidemiol. 43, 1542–1562 (2014);
2- Gjelsvik, B., Rosvold, E. O., Straand, J., Dalen, I. & Hunskaar, S. Symptom prevalence during menopause and factors associated with symptoms and menopausal age. Results from the Norwegian Hordaland Women’s Cohort study. Maturitas 70, 383–390 (2011);
3- Davis, S. R. et al. Understanding weight gain at menopause. Climacteric 15, 419–429 (2012);
4- Hage, F. G. & Oparil, S. Ovarian hormones and vascular disease. Curr. Opin. Cardiol 28, 411–416 (2013);
5- Davis, S. R., et al. Menopause. Nat Rev Dis Primers 1 (2015): 15004.
6 – Sapre S, Thakur R. Lifestyle and dietary factors determine age at natural menopause. J Midlife Health. 2014 Jan;5(1):3-5.