O magnésio é o quarto elemento mais abundante no corpo humano (sendo precedido por cálcio > potássio > sódio > magnésio) e o segundo cátion mais abundante nas células do corpo depois do potássio. No nascimento, o corpo humano contém 760 mg de magnésio e essa quantidade aumenta para 5 gramas por volta dos 4-5 meses. A quantidade corporal total de magnésio varia entre 20 e 28 g.

Mais de 99% do magnésio total do corpo está localizado no espaço intracelular, armazenado principalmente no osso (50-65%), onde, junto com o cálcio e o fósforo, participa da constituição do esqueleto, mas também do músculo e dos tecidos moles e órgãos (34–39%), enquanto menos de 1–2% está presente no sangue e fluidos extracelulares.

A concentração de magnésio nos eritrócitos é três vezes maior do que no plasma, onde as concentrações normais de magnésio variam entre 0,75 e 0,95 (mmol)/L. Um nível de magnésio sérico inferior a 1,7-1,8 mg/dL (0,75 mmol/L) é uma condição definida como hipomagnesemia. Níveis de magnésio superiores a 2,07 mg/dL (0,85 mmol/L) estão mais provavelmente ligados a níveis sistêmicos de magnésio adequados.

Semelhantemente ao cálcio, o conteúdo de magnésio corporal é fisiologicamente regulado por meio de três mecanismos principais:

1. Absorção intestinal;
2. Reabsorção/excreção renal;
3. Troca de magnésio no corpo (ou seja, ossos).

Os estoques de magnésio são, de fato, rigidamente regulados por meio de uma interação equilibrada entre a absorção intestinal e a excreção renal, em condições normais. A eliminação pelos rins aumenta naturalmente quando há um excesso de magnésio e pode diminuir para apenas 1 mEq de magnésio (~ 12 mg) na urina durante os déficits. Apesar da conservação renal, o magnésio pode ser derivado do osso (bem como dos músculos e órgãos internos) para preservar os níveis normais de magnésio sérico quando a ingestão é baixa, como ocorre com o cálcio.

Nos últimos anos, um grande número de trabalhos de pesquisa epidemiológica, clínica e experimental mostraram que anormalidades nos níveis de magnésio, como hipomagnesemia e/ou deficiência crônica de magnésio, podem resultar em distúrbios em quase todos os órgãos/corpos, contribuindo ou agravando consequências patológicas e causando complicações potencialmente fatais.

A deficiência subclínica de magnésio não é incomum na população em geral. Embora os rins limitem a excreção urinária desse mineral para evitar hipomagnesemia, a baixa ingestão habitual de magnésio ou as perdas excessivas, devido a diferentes causas e condições, podem levar a uma deficiência subclínica de magnésio.

Os primeiros sinais de deficiência de magnésio incluem fraqueza, perda de apetite, fadiga, náuseas e vômitos. Depois, contrações e cãibras musculares, dormência, formigamento, mudanças de personalidade, espasmos coronários, ritmos cardíacos anormais e convulsões podem ocorrer quando a deficiência de magnésio piora. A deficiência grave de magnésio pode resultar em hipocalcemia ou hipocalemia porque a homeostase mineral é interrompida como consequência.

O Mg2+ é absorvido principalmente pelo intestino delgado, embora parte também seja absorvido pelo intestino grosso. Existem dois sistemas de transporte conhecidos para o magnésio, um mecanismo paracelular passivo e o transporte transcelular por canais e transportadores dedicados de Mg2+.

A homeostase do Mg2+ é mantida pelo intestino, osso e rins sob controle hormonal. Resumidamente, o Mg2+ sérico é filtrado pelos glomérulos renais e então reabsorvido ao longo do néfron, onde as vias de reabsorção diferem em cada segmento. O transporte de magnésio através das membranas celulares mostra variabilidade do tecido e, entre os tecidos do corpo, é maior no coração, fígado, rim, músculo esquelético, glóbulos vermelhos e cérebro. Assim, o transporte de magnésio, sua fisiologia, a homeostase e a atividade metabólica da célula estão estritamente correlacionadas.

O nível de excreção renal de magnésio depende principalmente da concentração sérica de Mg2+. As concentrações de magnésio no sangue são estritamente reguladas para manter uma faixa normal, mesmo que a ingestão de magnésio na dieta seja baixa ou ocorra uma excreção excessiva de magnésio. Embora as concentrações de magnésio sérico/plasmático permaneçam na faixa saudável, no entanto, as concentrações intracelulares de magnésio nos ossos e tecidos moles podem estar depletadas.

O magnésio está envolvido em praticamente todos os principais processos metabólicos e bioquímicos dentro da célula e é responsável por inúmeras funções no corpo, incluindo desenvolvimento ósseo, função neuromuscular, vias de sinalização, armazenamento e transferência de energia, glicose, metabolismo de lipídios e proteínas, estabilidade de DNA e RNA e proliferação celular.

Mais de 600 enzimas com Mg2+ como cofator estão atualmente listadas nas bases de dados enzimáticas, enquanto outras 200 estão listadas nas quais o Mg2 + pode atuar como um ativador. Mais especificamente, ele interage principalmente com o substrato, ao invés de atuar como um cofator real.

 

Magnésio, alimentação e biodisponibilidade:

O magnésio é considerado amplamente distribuído nos alimentos, embora a quantidade de magnésio contido nos alimentos seja influenciada por vários fatores, incluindo o solo e a água usada ​​para irrigar, além de fertilizantes, conservação e também métodos de refino, processamento e cozimento. No geral, sementes, leguminosas, nozes (amêndoas, castanhas de caju, castanha do Brasil e amendoim), pães integrais e cereais (arroz integral, painço), algumas frutas e cacau são considerados boas fontes de magnésio.

Apesar disso, o solo ácido, leve e arenoso é geralmente deficiente em conteúdo de magnésio. Além disso, técnicas agrícolas, como o uso de potássio e amônio em alta concentração em fertilizantes, levam à depleção de magnésio nos alimentos.

Alguns métodos de processamento de alimentos, como ferver vegetais e refinar grãos com a consequente remoção de germe e farelo, causam um teor de magnésio substancialmente menor. A perda de magnésio durante o refino de alimentos também é considerável: farinha branca (−82%), arroz polido (−83%), amido (−97%) e açúcar branco (−99%).

No geral, os alimentos que contêm fibra dietética não fermentável têm, de fato, um alto teor de magnésio, no entanto, a biodisponibilidade é baixa, analogamente ao ferro. Em contraste, carboidratos baixo fermentáveis ​ou indigeríveis (por exemplo, inulina, oligossacarídeos, amido resistente, manitol e lactulose) aumentam a absorção de Mg2+.

Entre os compostos que podem influenciar a absorção de magnésio, estão:

– Os fitatos e oxalatos presentes nos alimentos ricos em fibras podem diminuir a absorção de magnésio por causa da quelação do metal. No entanto, a diminuição da absorção de magnésio causada por fitato e celulose é geralmente compensada por um aumento da ingestão de magnésio devido às altas concentrações de magnésio em fitato e produtos de celulose.

– Fósforo: altas concentrações luminais de fosfatos, que podem reduzir a absorção de magnésio, principalmente por causa da formação de sal. Uma das principais fontes de fósforo é representada pelos refrigerantes: o consumo dessas bebidas, tipicamente ricas em ácido fosfórico, vem aumentando significativamente no último quarto de século. O aumento do fosfato dietético também está relacionado aos aditivos de fosfato, presentes em muitos itens alimentares, mas principalmente em carnes processadas.

– Os lácteos e, em particular, os queijos têm uma relação fósforo/magnésio muito elevada. Por exemplo, o queijo cheddar tem uma proporção de fósforo/magnésio de ~ 18 e uma proporção de cálcio/magnésio de ~ 26,66. Em contramão, as sementes de abóbora têm uma relação fósforo/magnésio de 0,35 e uma relação cálcio/magnésio de 0,21.

– Ingestão muito elevada de cálcio pode reduzir a absorção de magnésio, em particular, a biodisponibilidade do magnésio diminui quando a ingestão de cálcio é superior a 10 mg/kg/dia.

– O alumínio dietético pode contribuir para um déficit de magnésio por meio de uma redução de aproximadamente 5 vezes em sua absorção, de 41% de sua retenção e por causar uma redução de magnésio no osso.

– Peptídeos de caseína ou soro de leite podem se ligar ao magnésio, o que pode promover a absorção, analogamente a outros cátions divalentes.

– A vitamina D parece ter um papel favorável na absorção de Mg2+ e o Mg2+ é importante para a ativação e inativação da vitamina D.

– A vitamina B6 colabora com o magnésio em muitos sistemas enzimáticos e aumenta o acúmulo intracelular. Uma dieta deficiente em vitamina B6 pode levar a um balanço negativo de magnésio por meio do aumento de sua excreção.

– Altas doses de zinco podem interferir no magnésio. Nielsen et al. relataram que uma ingestão de 53 mg de zinco/dia durante 90 dias pode diminuir o equilíbrio de magnésio.

– Quanto às bebidas, os níveis de magnésio diminuem com o excesso de etanol, refrigerantes e ingestão de café.

– Alguns medicamentos impactam negativamente no balanço de magnésio, em particular, diuréticos e insulina.

Magnésio e suplementação:

Suplementos de magnésio estão disponíveis em uma variedade de formulações, incluindo sal inorgânico (por exemplo, óxido de magnésio, cloreto, sulfato) e compostos orgânicos (por exemplo, citrato, malato, pidolato, taurato). A absorção de magnésio de diferentes tipos de suplementos não é a mesma, no entanto, os resultados obtidos nos estudos disponíveis em humanos dificilmente são comparáveis devido às diferenças entre os desenhos de estudo.

Sugere-se que um suplemento diário de 200mg de magnésio quelado (citrato, lactato) seja provavelmente seguro, adequado e suficiente para aumentar significativamente a concentração de magnésio sérico em uma amostra de soro não hemolisada em jejum para níveis > 0,85 mmol/L, mas <1,1 mmol/L. Um estado estacionário é geralmente alcançado em 20–40 semanas de suplementação e depende da dose.

Os suplementos podem conter uma mistura de sal de citrato e malato de magnésio, com um teor de magnésio de 12-15%.

Deficiência de magnésio e doenças de alto impacto social:

Nos últimos 30 anos, vários estudos experimentais, clínicos e epidemiológicos mostraram que a deficiência crônica de magnésio está associada e/ou amplificada em muitas das principais doenças. A maioria delas são “patologias sociais” bem conhecidas, como diabetes, osteoporose e doenças cardiovasculares, com impacto significativo na vida das pessoas afetadas e de suas famílias, mas também na economia e na vida social da comunidade.

O impacto social da doença pode ser definido como “o nexo entre o evento biológico, sua percepção pelo paciente e médico e o esforço coletivo para dar sentido cognitivo e político a essas percepções”.

Evidências científicas crescentes apoiam a visão de que a baixa ingestão de magnésio pode induzir mudanças nas vias de sinalização bioquímica, aumentando o risco de doenças ao longo do tempo.

Entre alguns trabalhos que focam no impacto social da deficiência de magnésio, um estudo recente merece destaque, pois afirma que a deficiência subclínica de magnésio aumenta o risco de vários tipos de doenças cardiovasculares, onera nações ao redor do mundo com incalculáveis ​​custos de saúde e sofrimento, e deve ser considerada uma crise de saúde pública.

Nesse contexto, é importante reiterar que a hipomagnesemia aguda apresenta características clínicas claras (cólicas intensas, nistagmo, arritmias cardíacas etc.) e é facilmente detectável. Pelo contrário, a deficiência de magnésio subclínica ou crônica é frequentemente subestimada porque reflete os níveis reduzidos de magnésio dentro das células e do osso, e não o magnésio extracelular.

Os níveis de magnésio devem ser medidos rotineiramente não apenas em pacientes graves, mas de forma mais geral em pessoas com risco de hipomagnesemia crônica, por ser de baixo custo de diagnóstico e fácil de tratar. Essa abordagem permitiria prevenir o aparecimento de doenças de alto impacto social (como diabetes, doenças cardiovasculares e neurológicas) e, eventualmente, melhorar seu desfecho, preservando recursos consideráveis ​​para toda a comunidade, como a grande economia pública que poderia ser obtida.

O magnésio é encontrado em uma ampla variedade de alimentos não refinados e está entre os suplementos disponíveis mais baratos. Dados de muitos estudos indicam que em cerca de 60% dos adultos, a ingestão de magnésio da dieta é insuficiente e que a deficiência subclínica de magnésio é uma condição amplamente difundida na população ocidental. Assim, mais atenção deve ser dada ao papel preventivo do magnésio nas patologias sociais, estimulando uma ingestão alimentar mais adequada e suplementações, quando necessário.

 

Referências:

1- Ismail, A.A.A.; Ismail, Y.; Ismail, A.A. Chronic magnesium deficiency and human disease; time for reappraisal? QJM 2018, 111, 759–763.

2- Fiorentini, D.; Cappadone, C.; Farruggia, G.; Prata, C. Magnesium: Biochemistry, Nutrition, Detection, and Social Impact of Diseases Linked to Its Deficiency. Nutrients 2021, 13, 1136.

3- DiNicolantonio, J.J.; O’Keefe, J.H.; Wilson, W. Subclinical magnesium deficiency: A principal driver of cardiovascular disease and a public health crisis. Open Heart 2018, 5, e000668.

4- Jahnen-Dechent, W.; Ketteler, M. Magnesium basics. Clin. Kidney J. 2012, 5, i3–i14.

5- Caspi, R.; Altman, T.; Dreher, K.; Fulcher, C.A.; Subhraveti, P.; Keseler, I.M.; Kothari, A.; Krummenacker, M.; Latendresse, M.; Mueller, L.A.; et al. The MetaCyc database of metabolic pathways and enzymes and the BioCyc collection of pathway/genome databases. Nucleic Acids Res. 2012, 40, D742–D753.