Dando continuidade a nossa primeira postagem sobre O papel das vitaminas e minerais na queda de cabelo, existem várias razões para investigar o papel dos micronutrientes na alopecia. Os micronutrientes são elementos fundamentais para o ciclo normal do folículo piloso, desempenhando um papel na renovação celular.

O tratamento da alopecia é um aspecto essencial da dermatologia clínica, dada a prevalência da queda de cabelo e seu impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes. O papel da nutrição no tratamento da queda de cabelo representa uma área de investigação dinâmica e crescente.

Vitamina D e queda de cabelo

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel que modula o crescimento e a diferenciação dos queratinócitos por meio da ligação ao receptor nuclear de vitamina D (VDR). Existem fortes evidências de que a vitamina D exerce efeito anti-inflamatório e imunorregulador, além de seu importante papel na manutenção de níveis séricos adequados de cálcio e fósforo.

Dados publicados sobre alopecia areata (AA) sugerem que a vitamina D, devido ao seu efeito imunomodulador, pode ter correlação com a doença.

Lee et al. conduziram uma revisão sistemática e metanálise de estudos observacionais sobre a prevalência de deficiência de vitamina D e/ou níveis séricos de vitamina D e alopecia areata.

Esses autores analisaram um total de 14 estudos que envolveram 1.255 pacientes com AA e 784 pacientes controle sem AA. O nível sérico médio de 25-hidroxivitamina D em pacientes com AA foi significativamente menor do que no grupo de controle não-AA. A deficiência de vitamina D também foi altamente prevalente em pacientes com AA, levando os autores a sugerirem que deve-se ter atenção ao nível sérico de vitamina D em pacientes com alopecia areata. No entanto, a metanálise não encontrou nenhuma correlação clara entre a extensão da perda de cabelo e o nível sérico de 25-hidroxivitamina D.

Thompson et al. avaliaram a associação entre AA e vitamina D em um estudo prospectivo. Os dados da pesquisa abrangendo estilo de vida e histórico médico de 55.929 mulheres no Nurses Health Study foram investigados. Os autores descobriram que não havia associação significativa entre a ingestão alimentar, suplementar ou total de vitamina D e o risco de desenvolver AA.

Vitamina E e queda de cabelo

A vitamina E é uma vitamina lipossolúvel com potencial antioxidante e que auxilia na proteção contra os danos dos radicais livres. Ramadan e colegas avaliaram os níveis de vitamina E no soro e nos tecidos em 15 indivíduos com AA e encontraram níveis significativamente mais baixos de vitamina E em pacientes com AA do que nos controles saudáveis. Esses resultados não foram confirmados por Naziroglu e Kokcam, que não encontraram diferença estatística nos níveis plasmáticos de vitamina E entre pacientes com AA e controles saudáveis.

Vários estudos clínicos têm observado a discrepância oxidante/antioxidante em pacientes com AA, que é uma doença dependente de fatores como autoimunidade, predisposição genética, estresse emocional e ambiental. Esses estudos foram revisados, com a maioria dos revisores relatando níveis aumentados de biomarcadores de estresse oxidativo e níveis reduzidos de enzimas antioxidantes protetoras em pacientes com AA.

Zinco e queda de cabelo

A alopecia é um sinal bem conhecido de deficiência de zinco, com crescimento do cabelo voltando a normalidade através da regulação de seus níveis. Os dados que correlacionam os níveis de zinco com eflúvio telógeno (ET) e alopecia androgenética (AAG), por outro lado, não são homogêneos.

Um artigo de revisão sobre zinco em pacientes com AA mostrou que quatro dos seis estudos de caso-controle encontraram níveis baixos de zinco em pacientes com AA em comparação com grupos de controle saudáveis.

O papel da suplementação de zinco também está aberto ao debate. Em um estudo duplo-cego controlado por placebo publicado em 1981, onde os pesquisadores administraram 220 mg de gluconato de zinco duas vezes por dia durante 3 meses em indivíduos com AA, não houve melhora após a suplementação. Por outro lado, outro estudo envolvendo 15 pacientes com AA que tomaram 50 mg de gluconato de zinco por 12 semanas mostrou bons resultados em 9 dos 15 indivíduos.

Restrições dietéticas e queda de cabelo

As células da matriz no bulbo do folículo têm um turnover muito alto. Uma deficiência calórica ou privação de vários nutrientes, incluindo vitaminas, minerais, ácidos graxos essenciais e proteínas, pode levar a perda de cabelo, anormalidades estruturais e alterações de pigmentação, embora o mecanismo exato não seja bem conhecido.

Goette et al. descreveram nove pacientes que desenvolveram eflúvio telógeno após 2–5 meses de início de um programa de redução de peso com perda de 11,7–24 kg, sendo a restrição calórica rigorosa com a subsequente inadequação do suprimento de energia da matriz do cabelo a principal causa para a precipitação capilar.

Dado o papel das vitaminas e minerais no desenvolvimento normal do folículo capilar e na função das células imunológicas, grandes estudos duplo-cegos controlados por placebo são necessários para determinar o efeito da suplementação no crescimento de cabelo em pacientes com deficiência de micronutrientes para estabelecer qualquer associação.

 

Referências:
1- Thompson JM, Mirza MA, Park MK, Qureshi AA, Cho E. The role of micronutrients in alopecia areata: a review. Am J Clin Dermatol. 2017;18(5):663–79;
2- Lee S, Kim BJ, Lee CH, Lee WS. Increased prevalence of vitamin D deficiency in patients with alopecia areata: a systematic review and meta-analysis. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2018;32(7):1214–21;
3- Thompson JM, Li T, Park MK, Qureshi AA, Cho E. Estimated serum vitamin D status, vitamin D intake, and risk of incident alopecia areata among US women. Arch Dermatol Res. 2016;308(9):671–6;
4- Prie BE, Voiculescu VM, Ionescu-Bozdog OB, et al. Oxidative stress and alopecia areata. J Med Life. 2015;8(Spec Issue):43–6;
5- Naziroglu M, Kokcam I. Antioxidants and lipid peroxidation status in the blood of patients with alopecia. Cell Biochem Funct. 2000;18(3):169–73;
6- Almohanna, Hind M., et al. “The role of vitamins and minerals in hair loss: a review.” Dermatology and therapy 9.1 (2019): 51-70.