Em 2016, a Organização Mundial da Saúde estabeleceu um código de Classificação Internacional de Doenças, 10ª Revisão, Modificação Clínica (CID) para Sarcopenia, como meio de um melhor diagnóstico, avaliação e tratamento da doença.

O Grupo de Trabalho Europeu sobre Sarcopenia em idosos definiu recentemente a Sarcopenia como uma doença caracterizada por baixa força muscular, quantidade/qualidade muscular e desempenho físico. No Blog do WebDiet, publicamos também um texto exclusivo sobre o tema.

A Sarcopenia normalmente ocorre em 6–22% dos adultos ≥65 anos de idade e está associada à redução da massa óssea e inflamação de baixo grau elevada (ou seja, envelhecimento por inflamação). A perda de massa óssea e resistência óssea relacionada à idade (osteoporose) aumenta a fragilidade óssea e, junto com um risco aumentado de quedas, aumenta o risco de fratura subsequente.

O envelhecimento por inflamação tem um efeito negativo no metabolismo da proteína muscular e na função das células satélite, que são principais fatores que contribuem para a Sarcopenia.

O acúmulo de evidências (metanálises, ensaios clínicos randomizados) sugerem que a suplementação de creatina tem o potencial de aumentar a massa muscular e a força muscular envelhecidas, além de reduzir o risco de quedas e talvez atenuar a perda mineral óssea. Evidências preliminares também indicam que a creatina pode ter propriedades anti-inflamatórias.

Um estudo de revisão publicado em 2019 sobre o tema, mostrou que o acúmulo de evidências indicam que a suplementação de creatina, com e sem treinamento de resistência, tem possíveis efeitos antissarcopênicos e antidinapênicos.

Especificamente, a suplementação de creatina aumenta a massa muscular e a força no envelhecimento (parte superior e inferior do corpo), possivelmente influenciando o metabolismo do fosfato de alta energia, a cinética da proteína muscular e os fatores de crescimento.

A suplementação de creatina mostrou potencial para aumentar o mineral ósseo em alguns, mas não em todos os estudos, e parece afetar a ativação das células envolvidas na formação e reabsorção óssea. A creatina tem o potencial de diminuir o risco de quedas experimentado por adultos idosos, o que, subsequentemente, reduziria o risco de fratura.

Nutri, você usa da suplementação ao seu favor e a favor dos seus pacientes? No Webdiet disponibilizamos gratuitamente um curso sobre suplementação com o Prof. Humberto Nicastro para lhe auxiliar em sua prática clínica.

 

Referências:
1- Anker, S.D.; Morley, J.E.; von Haehling, S. Welcome to the ICD-10 code for sarcopenia. J. Cachexia Sarcopenia Muscle 2016, 7, 512–514.

2- Cruz-Jentoft, A.J.; Bahat, G.; Bauer, J.; Boirie, Y.; Bruyere, O.; Cederholm, T.; Cooper, C.; Landi, F.; Rolland, Y.; Sayer, A.A.; et al. Writing Group for the European Working Group on Sarcopenia in Older People 2 (EWGSOP2), and the Extended Group for EWGSOP2 Sarcopenia: Revised European consensus on definition and diagnosis. Age Ageing 2019, 48, 16–31.

3- Dent, E.; Morley, J.E.; Cruz-Jentoft, A.J.; Arai, H.; Kritchevsky, S.B.; Guralnik, J.; Bauer, J.M.; Pahor, M.; Clark, B.C.; Cesari, M.; et al. International Clinical Practice Guidelines for Sarcopenia (ICFSR): Screening, Diagnosis and Management. J. Nutr. Health Aging 2018, 22, 1148–1161.

4- Marty, E.; Liu, Y.; Samuel, A.; Or, O.; Lane, J. A review of sarcopenia: Enhancing awareness of an increasingly prevalent disease. Bone 2017, 105, 276–286.

5- Dalle, S.; Rossmeislova, L.; Koppo, K. The Role of Inflammation in Age-Related Sarcopenia. Front. Physiol. 2017, 8, 1045.

6- Reginster, J.Y.; Beaudart, C.; Buckinx, F.; Bruyere, O. Osteoporosis and sarcopenia: Two diseases or one? Curr. Opin. Clin. Nutr. Metab. Care 2016, 19, 31–36.

7- Candow, Darren G., et al. “Effectiveness of creatine supplementation on aging muscle and bone: focus on falls prevention and inflammation.” Journal of clinical medicine 8.4 (2019): 488.